Tratamentos

Clínicos

  • Acne e oleosidade: A acne é uma inflamação da pele, crônica – mais especificamente do folículo pilossebáceo, a unidade do pêlo que fica junto de uma glândula sebácea. Essa inflamação, geralmente acompanhada de oleosidade, causa o surgimento de cravos e espinhas, que podem chegar a formar nódulos e cistos. É uma doença extremamente comum, principalmente em adolescentes e adultos jovens, mas também ocorre em adultos mais velhos, especialmente nas mulheres. Possui um grande impacto psicossocial em quem é acometido por ela, ocasionando insegurança, baixa auto-estima e até mesmo depressão, dependendo da severidade do quadro. O tratamento adequado e precoce da acne, realizado pelo médico dermatologista, evita sequelas como cicatrizes e tem muito impacto na qualidade de vida dos pacientes. Podem ser utilizados desde medicamentos tópicos (como sabonetes, loções secativas, ácidos, antibióticos e outros medicamentos próprios) até tratamentos via oral com antibióticos, medicações hormonais ou Isotretinoína (o famoso “Roacutan”) – para os casos mais graves.
  •  

  • Envelhecimento da pele: O envelhecimento se mostra muito evidente na pele, principalmente no rosto, e uma rotina diária de cuidados em casa é fundamental, com produtos que vão atuar melhorando rugas e linhas finas, irregularidade de textura e pigmentação cutânea, devolvendo hidratação, elasticidade e viço à pele, combatendo radicais livres e ajudando no estímulo de colágeno, além de muito protetor solar.
  •  

  • Manchas, sardas e melasma: As desordens de pigmentação são uma das queixas mais frequentes no consultório. Existem várias causas para manchas escuras na pele: sardas e manchas de sol, manchas pós alguma inflamação (como acne, queimaduras, machucados), melasma… a causa vai determinar o tratamento, geralmente feito a base de ácidos, cremes clareadores e muito protetor solar! O melasma merece uma atenção especial: são aquelas manchas acastanhadas, geralmente na face de mulheres, que podem aparecem com a exposição solar, gravidez e uso de anticoncepcionais. O melasma não tem cura, mas existem diversos tratamentos clínicos para um bom controle do quadro, e proteção contra a radiação solar e contra luz visível é fundamental.
  •  

  • Câncer de pele e avaliação avançada de pintas (nevos) e sinais com Dermatoscopia: O câncer cutâneo (do tipo não melanoma) é o tipo mais comum no Brasil e no mundo, e ocorre por um crescimento anormal e descontrolado das células que compõem a pele. Ele surge geralmente nas áreas expostas ao sol. São três tipos principais: basocelular, espinocelular e melanoma. Existem vários fatores de risco para o câncer de pele em geral, como: pele muito clara que sempre fica muito vermelha e raramente ou nunca bronzeia, presença de sardas, cabelos loiros ou ruivos e/ou olhos claros, muitas pintas pelo corpo e pintas atípicas, histórico de queimaduras pelo sol e exposição solar desprotegida em excesso,  principalmente na infância e histórico pessoal ou familiar de de câncer de pele. Os sinais e pintas da pele podem variar desde lesões benignas e inofensivas até lesões malignas e perigosas, como o melanoma – o  câncer de pele mais grave. Muitas vezes, é difícil diferenciar essas lesões durante o exame clínico, mesmo por profissionais experientes. Desta forma, são necessários métodos complementares para ajudar no diagnóstico precoce desses sinais. A dermatoscopia é um exame simples e não invasivo que visa auxiliar no diagnóstico precoce do melanoma e de outros tumores de pele. É realizado com um aparelho chamado dermatoscópio, uma espécie de lupa bastante potente, colocado sobre a lesão a ser avaliada, fazendo uma magnificação de, no mínimo, 10 vezes. Assim, é possível visualizar em detalhes cores, estruturas e vasos abaixo da camada mais superficial da pele, que não são visíveis normalmente. A lesão é então classificada em benigna, maligna ou suspeita, contribuindo para a suspeição de um diagnóstico e indicação de seguimento ou necessidade de biópsia/retirada completa da lesão. A sua principal indicação é para o exame de lesões pigmentadas da pele, visando o diagnóstico do melanoma cutâneo inicial. Entretanto, a dermatoscopia é amplamente utilizada também no auxílio diagnóstico de outras lesões de pele, benignas ou malignas, doenças infecciosas e inflamatórias e ainda para diversas doenças do couro cabeludo e dos cabelos (como queda de cabelo e calvície), para um diagnóstico preciso, avaliação da evolução e resposta ao tratamento, sendo atualmente um método indispensável e rotineiro na prática dermatológica.
  •  

  • Olheiras: Muita gente se incomoda com esse escurecimento na região ao redor dos olhos. As olheiras podem ser de vários tipos: acastanhadas (pigmentares), profundas (possuem uma sombra na região) ou arroxeadas (vasculares). Apesar do tratamento delas ser um desafio, vale investir em cremes para olhos anti-bolsas ou clareadores, além de rituais em casa e, dependendo dos tipo de olheira, podem ser indicados procedimentos em consultório.
  •  

  • Queda de cabelo e doenças dos cabelos: É um sintoma muito frequente, que pode ter várias causas. A queda de cabelo em uma quantidade maior do que a esperada  (é normal perder até 100 fios de cabelo por dia) pode estar relacionada a vários fatores que interferem na saúde e no ciclo do cabelo, como estresse, alterações hormonais, mudanças de estação, medicamentos, gestação e uso de anticoncepcionais, químicas, fatores genéticos e falta de vitaminas e micronutrientes. Logo, o problema deve ser avaliado por um especialista – evite usar por contra própria  vitaminas e outras medicações, pois elas muitas vezes podem piorar o problema!
  •  

  • Calvície: A calvície, ou alopecia androgenética, é a causa mais frequente de queda de cabelo em homens e em mulheres! A causa é hormonal e genética. Essa condição afeta o ciclo do cabelo, fazendo com que o fio fique mais fino e curto, causando uma rarefação no couro cabeludo. Ela tem tratamento sim, e o ideal é que ele seja iniciado o mais cedo possível! O tratamento vai desde medicações tópicas até medicações orais para bloquear o estímulo hormonal que causa o problema, principalmente nos homens, onde essa relação é melhor estabelecida. Na maioria dos casos, há benefício em associar também alguns procedimentos feitos em consultório.
  •  

  • Doenças das unhas: As unhas são muito importantes esteticamente e várias vezes podem nos indicar como anda a nossa saúde e sinalizar doenças sistêmicas e deficiências de vitaminas e minerais. Elas podem apresentar diversos problemas, desde fragilidade e alterações na sua superfície até infecções, como as causadas por fungos, bastante comuns. O tratamento dessas alterações vai varias de acordo com a causa.
  •  

  • Alergias de pele: alergias sistêmicas ou alimentares podem se manifestar na pele e  a pele pode ser sítio primário de alergias também (como urticárias, alergia a picadas, alergia de contato etc). O tratamento vai variar de acordo com a causa da alergia. Muitas vezes, o acompanhamento é feito em conjunto com o médico alergista.
  •  

  • Infeções de pele, cabelo e unhas (verrugas, moluscos, herpes, micoses etc): A pele e seus anexos podem ser sede de diversas infecções:  virais (como verrugas, herpes simples, herpes zoster, molusco contagioso), fúngicas (como micoses de unha, tinhas da pele e do couro cabeludo, pano branco) ou bacterianas (como o impetigo), além de infecções e infestações por parasitas e ácaros (como piolhos, pulgas, sarna etc). A maioria dessas infeções é contagiosa e seu tratamento deve ser feito com orientação médica.
  •  

  • Foliculites: A foliculite é caracterizada por uma inflamação do folículo piloso, causada por infeção de bactérias ou fungos, por atrito, pela depilação ou ato de barbear etc.  Para prevenir esse problema, podemos utilizar algumas medicações em creme e é essencial ter cuidados como evitar roupas apertadas e suadas, minimizar o atrito da pele e usar técnicas depilatórias que não facilitem o encravamento dos pelos, como o laser. Isso evita manchas e também cicatrizes causadas pela inflamação.
  •  

  • Dermatites: As dermatites são inflamações da pele que podem ter diversas causas e provocam irritação, que se manifesta com vermelhidão local, coceira, descamação, secreção e até bolhas. Como existem diversos tipos de dermatites, elas podem aparecer em qualquer idade e atingir qualquer região do corpo! Exemplos de dermatites são: dermatite de fraldas, dermatite de contato (a bijouterias e a esmalte, por exemplo), dermatite seborréica (a famosa caspa) e a dermatite atópica. O tratamento depende muito do tipo de inflamação e da causa, uma vez que elas podem se manifestar devido a fatores genéticos, emocionais, constituição da pele ou até mesmo influenciadas por agentes externos, como o clima, temperatura da água do banho e substâncias irritantes.
  •  

  • Psoríase: É uma doença inflamatória crônica da pele (mas que também pode acometer as articulações) – ou seja, não é contagiosa! Surge com mais frequência na pele dos cotovelos, joelhos, tronco e também pode acometer áreas como couro cabeludo, palmas das mãos, planta dos pés e unhas. Em geral, as lesões são placas vermelhas bem delimitadas, com escamas secas esbranquiçadas ou até prateadas. A causa da doença ainda não é bem esclarecida, e conta com fatores imunológicos, suscetibilidade genética e com estímulos ambientais envolvidos. Ela não tem cura, mas é possível obter um bom controle da doença com medicações tópicas e, em alguns casos, tratamentos orais (em comprimidos) ou injetáveis.
  •  

  • Vitiligo: O Vitiligo é uma doença que afeta os melanócitos: células que produzem a melanina, substância responsável por dar a cor à nossa pele. Com o ataque a essas células, aparecem  manchas brancas pelo corpo, frequentes na face, mãos, pés, joelhos, cotovelos e na região íntima. Ela não é uma doença contagiosa, apesar de não ter cura, tem tratamento, com medicações em cremes e em comprimidos, além da fototerapia e alguns lasers, que podem repigmentar e melhorar a aparência das manchas em grande parte dos casos.
  •  

  • Sudorese excessiva e odor no suor: O excesso de suor ou hiperidrose ocorre devido a uma hiperfunção das glândulas sudoríparas, especialmente em regiões como axilas, mãos e pés. Ela pode decorrer de fatores emocionais, medicações ou doenças que afetam a produção do suor. O suor pode ser decomposto por bactérias e gerar um odor desagradável característico (bromidrose). O quadro pode trazer um desconforto grande e atrapalhar as atividades diárias, trabalho e o convívio social dos pacientes. O tratamento pode ser realizado com medicações tópicas, orais, cirurgia, e com a toxina botulínica (procedimento minimamente invasivo que possui resultados excelentes e duradouros, praticamente sem riscos).
  •  

  • Cicatrizes e quelóides: As cicatrizes, sejam elas pós-cirúrgicas, pós-acne, pós-traumáticas, são bastante incômodas quando muito aparentes ou quando ocorre um processo e cicatrização inadequado, ocasionando cicatrizes hipertróficas (altas) ou quelóides. Elas podem ser atenuadas com tratamentos clínicos, procedimentos em consultório ou cirurgias.
  •  

  • Cuidados dermatológicos para mulheres, homens, crianças, idosos e gestantes: Todos merecem e devem ter cuidados de pele, cabelos e unhas, independente da idade! Cada um terá uma abordagem diferenciada e individual, de acordo com suas particularidades, tipo de pele e fase da vida!